Hurb – Suas melhores experiências em Turismo
14 de fevereiro de 2020
Santo Antonio da Patrulha
22 de março de 2020

Monteiro Lobato

 

 

Outra de tantas joias da Serra da Mantiqueira. Monteiro Lobato é um minúsculo município vizinho de outra pérola, São Francisco Xavier.
Monteiro Lobato é um daqueles passeios que tanto gostamos. Pouca distância, caminho ótimo, muitas surpresas a descobrir e nesse caso toda uma temática a ser reverenciada.

 

 

História

O povoado de Buquira, também já foi a Freguesia de NS do Bonsucesso, município de Buquira e em 1948, herdou o nome de seu mais ilustre filho, José Bento Renato de Monteiro Lobato.
Não se curte a cidade sem passear pela vida e obras literárias do “multi funcional” Monteiro Lobato.
Seu avô materno era o Visconde de Tremembé, próspero cafeicultor do Vale do Paraíba, que também era conhecido como o Vale do Café, vivia com a família na Fazenda São João do Buquira. O Visconde, que acabou sendo retratado nas obras infantis de Lobato, mantinha uma invejável biblioteca, que acabou por direcionar a vida do garoto.

O município tem hoje (2020) 5000 habitantes, isso versus a grandeza de seu filho criou uma situação de dependência entre ambos.

 

 

Lobato foi um grande brasileiro, sempre preocupado e ativo quanto a grandes temas nacionais e sociais. Quem passeia pela cidade Monteiro Lobato encontra esses traços estampados, por exemplo, nas muitas e muitas sibipirunas espalhadas pelas ruas da cidade. Nas extensas áreas de mata nativa protegidas por força de lei.
Visitar Monteiro Lobato é programa para quem quer rever os encantos da Serra da Mantiqueira, sentir seus ótimos ares, curtir a vida simples de uma cidade interiorana, além claro de reviver um dos aspectos da vida de Monteiro Lobato.

 

Fazenda São José do Buquira

Foi onde o menino José Bento passou a primeira e a última parte de sua vida.
Cenário inspirador retratado nas obras infantis do autor como o Sítio do Pica Pau Amarelo.
Era conhecida e se manteve retratada como a Chácara do Visconde. Hoje tem área de 20.000m² onde mangueiras, jaqueiras centenárias formam o entorno da muito bem conservada casa sede construída no século XIX. Nas andanças você encontra um cafezal, tulha, pastos e animais de fazenda compondo a paisagem. Para delírio dos mais jovens, os inesquecíveis personagens das histórias de Lobato, Pedrinho, Emília, Narizinho, Dona Benta e Tia Anastácia, … circulam pelos jardins que contornam a casa.  

Em seu interior o mobiliário de época cria ótima atmosfera para abrigar o Museu Histórico e Pedagógico que guarda importante acervo sobre a obra literária infantil de Monteiro Lobato.

Ande um pouquinho mais nesse resquício de Mata Atlântica e se encante com a Cachoeira do Reino das Águas Claras.

Anote
Estrada do Livro Km 22. (Estrada para Caçapava)

 

Centro da cidade

Passeie sem nenhuma pressa pelos quarteirões centrais do município. Monteiro Lobato é uma cidade que cresceu muito pouco e muito devagar. Encontre imóveis sempre com boa idade, em ótimas condições.
Claro que temos uma razoável concentração de lojinhas de artigos artesanais da região. É possível encontrar reproduções dos personagens do escritor das mais diversas apresentações, tamanhos e variedade de materiais.
Pelo número e tamanho dos restaurantes encontrados é fácil entender que Monteiro Lobato é um concorrido destino do tipo bate-e-volta. O básico é a cozinha caipira, bem representada e num preço interessante.

 

Bagulhos & afins

Visite O Arteiro. Uma loja misto de antiquário, objetos antigos e bagulheiras (no melhor sentido do termo). É um acervo incompatível com o tamanho da cidade. Tem muita coisa para ser deliciosamente apreciada.
Como todo bom estabelecimento do gênero, é preciso calma e atenção para apreciar cada coisinha, ou coisona interessante desse denso acervo.

 

 

Histórico de vida

Aqui falamos de Turismo, de atividades prazerosas, mas não há como renegar o nosso título “Coisas de Gente Grande”. Nos assuntos adultos Monteiro Lobato foi um gigante sua obra literária para adultos, tratando principalmente de temas nacionalistas é extensa e preciosa.
Advogado, Promotor, Jornalista, Tradutor e Empresário.

Muitas vezes apontado como escritor nacionalista, precursor da campanha pelo petróleo brasileiro, deve ser creditado a Monteiro Lobato a modernização e a qualificação do livro didático no Brasil.
Lobato foi um dos primeiros editores, produtores de livros no Brasil. Lógico que isso faz muita diferença no avanço cultural brasileiro.

O Brasil dessa época era comandado por Getúlio Vargas e suas múltiplas contradições. Na sua relação com o governo, Lobato vai desde intelectual escolhido para criar e comandar o Ministério da Propaganda, como perseguido e preso político.

Lobato nunca teve atividade parlamentar, mas também nunca deixou de ser um ativista político. Muito preocupado com a soberania nacional escreveu sobre nossos minérios (publicou Ferro, em 1931) e sobre a questão do petróleo no Brasil ( O escândalo do petróleo, 1936)

Acabou sendo próximo do PCB e teve textos lidos por (Luis Carlos) Prestes em monumentais comícios.

 

Humanismo

Não se deve falar em Monteiro Lobato sem citar seu ilustre personagem Jeca Tatu. Jeca Tatu não deve ser entendido como um desqualificação do caipira. Lobato é taxativo: Jeca, não é assim, ele está assim. Com esse veredito Lobato escancara os descuidos das políticas públicas com relação as populações mais carentes e mais isoladas.
Mais outra brilhante atuação do multi-funcional Monteiro Lobato. Foi muito ativo junto aos movimentos e políticas sanitaristas ocorridos no Brasil bem no princípio do século XX.
Jeca Tatu era indolente, era doente, era inculto, desinformado. A ele nunca havia sido ofertado um mínimo de conhecimento, de informação, de recursos.

Jeca Tatu foi personagem e garoto propaganda de campanhas sobre sanitarismo, higiene. Jeca Tatu ficou afamado no Brasil inteiro através do Almanaque Fontoura que dava respaldo publicitário ao também lendário e centenário Biotônico Fontoura.

 

Souza

Bairro do Souza. Interessante, ótima opção de passeio.
Conta a tradição que um fazendeiro de sobrenome Souza deixou em testamento uma grande área destinada a Santa Rita. Sim deixou para santa, não pra Igreja Católica, nem para a prefeitura. A Igreja se entendeu representante da santa, partilhou as terras com os moradores (colonos) do lugar a loteou o restante.
Hoje esse é um bairro diferenciado. Contam-se muitas atrações. Vários ateliês, produção de alimentos orgânicos, produtos comestíveis artesanais, e pontos gastronômicos.  

    

Pereirão, Maria Pereira e outros bonecos gigantes

Os portugueses trouxeram uma antiga tradição para o Brasil. Desde o século XIV se construíam na Europa grandes bonecos para animação de festas populares.

Em 1940, o artista plástico Tião Munheca materializou o Pereirão, que foi a atração maior do carnaval da cidade. Mais tarde Pereirão ganho a companhia de Maria Pereira e essas alegorias foram crescendo se tornando imprescindíveis e fazendo a festa da população nos carnavais.

_______________________________________________

        

           

 

 

 

Cako Machini
Cako Machini
Desde 1953 também responsável pelo mundo que vivemos. Publicitário, marqueteiro, empresário. Criativo, amante das artes. Resolvido a viver o Outono de sua Vida junto a natureza, priorizando as palavras e as viagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *