Presidente Epitácio

Tiradentes
5 de setembro de 2019
Florianópolis – A Ilha das Bruxas
23 de setembro de 2019

Presidente Epitácio

Presidente Epitácio é uma dessas gratas surpresas que nosso feeling acaba provocando. Conhecer, ou melhor, rever Presidente Epitácio se deu pelo aproveitamento de uma oportunidade profissional, por uma lembrança de criança e por acreditar no faro de viajante que está cada vez mais desenvolvido. 

Presidente Epitácio fica a beira do Rio Paraná que divide São Paulo do Mato grosso do Sul. Descendo um pouco mais no Rio Paraná temos a Usina Hidroelétrica de Porto Primavera, rebatizada de Eng. Sergio Motta. Presidente Epitácio tem como seu vizinho imediato a margem desse imenso lago formado. E essa imposição do progresso acabou brindando Presidente Epitácio com uma interessante atração turística.

Planejando…………

Foi feito um ótimo aproveitamento. Foi urbanizada uma orla fluvial com extensão de sete quilômetros com tudo que possa se querer para lazer de qualidade. Construíram uma praia fluvial genial, muito grande, com uma faixa de areia enorme, onde só falta a maresia para você se sentir no litoral.

A parte (digamos) central Tem o nome de Parque Figueiral. Não só nesse ponto, mas basicamente em toda orla dispõem de banheiros, chuveiros, quiosques.

Acompanhando a praia uma ótima área de recreação, aparelhos de ginástica, quadras de esportes.  Algumas lanchonetes, um restaurante. Um ajardinamento muito bom.

Existe espaço para esportes náuticos. É possível andar de Jet Sky, em barcos de passeio, lanchas e claro, barcos de pesca. Afinal estamos na margem de um lago de 2250 Km²

E pra aqueles que gostam um pouco mais da pesca o Tucunaré é a principal atração. Primeiro por ser essa região o ponto de sua maior incidência no Brasil. Por ser bom de briga com o pescador e pelo espetáculo que oferece quando ataca as iscas na flor da água.

No Píer turístico, o local de encontro básico dos ciclistas, corredores, adeptos de caminhadas, foi criada uma atração copiada da cidade de Paris que tem chamado muito a atenção. Em Paris temos a ponte dos cadeados, aqui em Presidente Epitácio foi colocado uma estrutura em ferro com a mesma finalidade, casais comprometidos que prendem ali um cadeado que simboliza a união, o compromisso. Muita gente já prendeu um cadeado ali, mas o número de curiosos com o ineditismo do fato é muito maior.   

O Paranazão

Quem está em Presidente Epitácio, avista um marzão de água. Não se consegue ver a outra margem e uma ação imperdível fazer a travessia da Ponte Hélio Serejo que cruza o lago ligando os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul. São 2550 m de extensão. Antes da inauguração da Ponte Rio-Niterói era essa o “xodozinho” da engenharia brasileira. Devemos somar a extensão dessa obra outros 11 Km que elevam a pista do lado do Mato Grosso em função das cheias do reservatório da represa. Isso tudo deixa a travessia uma aventura bem mais interessante.

O número de embarcações na região é pequeno, o número de veículos em circulação também não é tão grande. Em certos momentos da travessia você vê a pista, água e mais absolutamente nada. Eu acho lindo.

Qualquer epitaciano garante que ali, na praia fluvial que eles tanto se orgulham, ocorre o mais bonito Por do Sol do Brasil.

O sempre mágico Crepúsculo……

Quem nos lê com frequência sabe que adoramos o poente. É um momento mágico, é o ponto onde o mundo se altera, o dia adormece a noite se impõe.
Adoramos assistir esse magico momento, não queremos entrar nessa discussão sobre o ranking da beleza desse momento. Mas vendo o poente aqui da praia fluvial de Presidente Epitácio, vemos o sol se por lá no Mato Grosso, não sem antes deixar sua imagem super-refletida naquela imensidão de água do “Paranação”, como o grande rio é amistosamente chamado. 

Curtir a praia fluvial, atravessar a ponte, ver o por do sol. Se o tempo for curto, fazer essas atividades já está de ótimo tamanho. Já terá sido uma viagem ótima. Querendo esticar, anote:

Reserva Florestal do Córrego do Veado

São 10 milhões de m² de vegetação preservada onde Mata Atlântica, Várzeas e também de vegetação de Cerrado. Em área contínua estão os projetos de reflorestamento implantados pala CESP em função do impacto ambiental gerado pela criação da criação da barragem, do lago e da usina hidroelétrica.

Existe nessa região um sítio arqueológico indígena datado de mais de 2000 anos.

Colônia Arpad Falva

No comecinho do século XX, chegou a região uma legião de imigrantes vindos da Hungria, ali estabeleceram moradia e construíram uma igreja em louvor a Santo Estevão. A construção, os moveis e um razoável arquivo escrito em escrita húngara se constituem numa atração incomum.
A data comemorativa do padroeiro, ocorre no mês de Agosto, e atrai os descendentes tanto dos húngaros como de outros imigrantes oriundos de países do leste europeu radicados em toda a região e é marcada por culinária, danças e rituais trazidos de suas origens. Um bom número de pessoas comparece vestindo roupas típicas.

Memórias de infância

Essa região, extremo oeste do estado de São Paulo, foi ocupada no início do século XX. Foi aquilo que se chamava “novas fronteiras agrícolas”. Existe toda uma história sobre terras devolutas, etc. etc. Possivelmente por isso, vários municípios da região receberam nomes de figuras importantes na velhíssima republica. Assim vários municípios que acabavam de serem criados, receberam nomes dos presidentes da república. Surgiram Presidente Prudente (de Morais), Presidente Venceslau (Brás), Presidente Bernardes (Arthur), Presidente Epitácio (Pessoa).

Meu avô materno, Seu Faustino Machini, imigrando da Itália, chegou ao Brasil muito jovem com pais e irmãos. Foram se radicar na região de Ribeirão Preto.  Morou também em Batatais. Pelo que ouvi dos mais velhos, a família até que fazia progressos. Mas nunca poderá ser bem explicado o que motivou Seu Faustino a largar tudo, inclusive a família e ir tentar a vida em Piquerobi, outra cidadezinha ali da região.

Na infância, numa viagem visitando Piquerobi, esticamos até Presidente Epitácio. Na ocasião foi épico, para uma criança chegar nas lendárias barrancas do Paranazão. Nunca, mais nunca mesmo fui capaz de imaginar a transformação dessa região.

 

 

 

 

Cako Machini
Cako Machini
Desde 1953 também responsável pelo mundo que vivemos. Publicitário, marqueteiro, empresário. Criativo, amante das artes. Resolvido a viver o Outono de sua Vida junto a natureza, priorizando as palavras e as viagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *