Serra da Canastra

/, Destinos/Serra da Canastra

Serra da Canastra

Serra da Canastra

Uma caprichosa manifestação da natureza. Lugar onde é parido o mais importante rio brasileiro. Onde as belezas da vegetação do cerrado são protegidas. Pátria de uma unanimidade do melhor paladar nacional, o queijo Canastra.

 Vargem Bonita

Entramos na região da Serra da Canastra por essa simpática cidade. Na verdade, a cidade não tem nada de simpático, fisicamente falando. A simpatia está irradiada pelo seu povo.

 

Uma das mais interessantes coisas que encontramos pelas terras desse Brasil, são as pessoas. Nossa predileção por cidades menores vem em parte da humanidade do povo que encontramos por lá.

Entramos em Vargem Bonita, andamos por suas ruas vazias e por indicação fomos almoçar da Pousada e Restaurante São Francisco.

O que encontramos? No começo da mesa três mulheres e um homem conversavam. Eu disse no começo da mesa porque a arrumação do restaurante é bem diferenciada. Uma só mesa, na verdade várias mesas colocadas grudadas pelo sentido do comprimento.

O serviço não é exatamente de primeira, cada um de nós se serve do que lhe apetitar e diretamente das panelas. Já viu lugar com maior informalidade?

 

Fomos incluídos na prosa dos presentes antes mesmo de terminarmos de nos servir.

Carne de boi, carne de porco de lata, galinha, feijão, arroz, e as folhas. Foi assim que fomos apresentados ao cardápio. O que era de fogo estava em panelas e sobre o fogão. O restante, as folhas e alguns pratos frios sobre uma mesa. No canto, abacaxi, bananas, queijo canastra, compotas, rapadura e café.

Parabéns D. Mariana, tanto pela comida como pela prosa.

A Beth, mineiríssima que é, provou, gostou e perguntou sobre a procedência do doce de leite. – É coisa aqui da terra, Vargem bonita tem várias boas doceiras. Foi a resposta da anfitriã D. Mariana.

A doceira Maria (D. Maria dos doces) foi indicada como a melhor da cidade. Explica daqui, explica de lá, e pra ficar mais fácil e mais gostoso, Teresa se ofereceu, entrou no nosso carro e nos levou até a casa da Maria dos doces.

Lembram o que falei sobre cordialidade? Como Teresa poderia deixar que corrêssemos o risco de nos perdermos na cidade. Afinal Vargem Bonita já tem mais de 3000 habitantes………..

*Explicando o cardápio

– Esse porco é carne de lata. Isso quer dizer: – Essa carne fica guardada dentro da lata de banha.

 

 

__________________________________________________

Pousada Velho Chico              

Pousada Velho Chico é na verdade um pouco mais do que típica propriedade rural. La tem roça, se planta café, milho. Tem galinha ciscando solta no terreiro. Tem cavalo pastando perto da casa. E tem o Rio São Francisco passando ali no fundo do quintal.

 

Nada é exatamente formal como em um estabelecimento hoteleiro. Lá se faz o Turismo Rural na acepção exata do termo. A rotina da fazendola corre normalmente e você se acomoda em um dos oito chalés disponíveis.

A propriedade fica na área de amortecimento da Serra da Canastra. Explicando melhor. A Serra da Canastra é uma área inteiramente protegida. E no entorno de toda área protegida existe uma área com muitas restrições de ocupação que visam minimizar os impactos do progresso nas áreas protegidas.

 

Adriano, dono e gestor da pousada, além de ser filho da terra, têm credenciamento como guia de turismo para a região. Portanto ele dispõe da soma dos conhecimentos mais relevantes para ser o assessor ideal para essa viagem de conhecimento sobre a Serra da Canastra e seu filho mais famoso, o Rio São Francisco.

E a família do Sr. Adriano Leonel é uma das tradicionais e autenticas produtoras do Queijo Canastra, ícone de todos que gostam de boa mesa.

Se estamos visitando um lugar queremos nos integrar a esse ambiente. Não observar, mas interagir, vivenciar o lugar a cultura…

Existem muitas ótimas pousadas nesse entorno da Serra da Canastra, mas a opção pela Pousada Velho Chico, foi muito feliz. Gente da terra, que ama e cultua o lugar que nasceu. Que tem na voz o sotaque, o tom da terra.

A Pousada Velho Chico, é isso, uma família pioneiríssima da região que abre simpaticamente um espaço hospitaleiro pra quem quer conhecer a Serra da Canastra.

E você visitante, irá ganhar mais ainda a simpatia desse povo sorridente, quanto você verdadeiramente estiver interessado nos encantos do lugar.

Tudo muito simples. Tudo muito ótimo. Meu português pode não ser o melhor, mas reflete exatamente o que se recebe dessa família.

Essa família está ali desde os tempos que o lugar era área de garimpo. Ajudou na implantação do parque da Canastra. Tem atividade rural normal, tem galinha solta no terreiro, se locomove dentro da propriedade a cavalo, cultiva na terra o básico de seu consumo. Tem um pequeno rebanho de gado Jersey   (o gado mais adorável do planeta) e produz Queijo Canastra com o leite que ordenha.

 

A Pousada Velho Chico não oferece piscina, sauna ou nenhum outro equipamento de lazer. Assim a atenção de todos fica focada (isso pesou muito na nossa escolha) naquilo que é genuíno da própria terra. Os cavalos da propriedade estão sempre a disposição, os cães, convidados ou não, serão companheiros em todas as andanças que você realizar.

Nossa rotina (em qualquer canto do mundo) é sair da cama as 6:00h. Como a pousada está inserida numa fazenda, as rotinas começam ainda mais cedo. O nascente e o poente do sol na região, tendo a Serra da Canastra por cenário, são maravilhosos.

Vá até o curral, assista e participe da ordenha. Acompanhe o caminho do leite, vá pra queijaria e compreenda a rotina de produção do queijo. Não se acanhe de perguntar, eles todos são solícitos e adoram quem se interessa pelas coisas que eles tanto valorizam.

Adriano tem um hábito incrível, adora conversar, é fascinado em contar as coisas da região. E isso fica evidente na sua linguagem corporal. Ele chega perto de uma janela, apóia um dos braços, dá descanso para uma das pernas, nessa postura ele está pronto para contar coisas incríveis e recomendar os melhores pontos de visitação da região.

Grande Adriano, sitiante, que já exerceu e é filho e neto de garimpeiros. Que se tornou (também) empresário, que já foi vereador, que se orgulha de estar formando um filho engenheiro, e mais do que tudo é um entusiasta da região da Canastra.  

Pousada Velho Chico                                                                                                                           Estrada Vargem Bonita / Casca DÁnta, km 05 
   (37)3435-1212
   (37) 9 9929-0110 
   (37) 9 8816-5797 (w)
   pousadavelhochico@yahoo.com.br

 ________________________________________________________

Quem foi visitar a Serra da canastra não pode deixar de visitar Capitólio (MG). A cidade que melhor aproveitou a formação do lago de Furnas. O melhor ponto para se visitar os Canyons uma paisagem pouco comum no Brasil.  Procure se hospedar no Minas Tour Hotel, fica no centro da cidade e isso é muito importante. Saiba mais….. __________________________________________________

Garimpo de diamantes

Quando se ouve falar em área de garimpo, a impressão é estarmos falando de coisa distante, e de coisa muito antiga.

Vargem Bonita era um agrupamento de índios Cataguazes e quilombos. Pode ser dito que o homem branco chegou bem recentemente e veio buscar diamantes. E contrariando a impressão descrita acima essa extração de diamantes começou no século XX.

Misseno Modesto Castro praticava o garimpo, conheceu a região, apostou no seu faro, comprou terras e estabeleceu um garimpo de diamantes.

Em 1943 recebeu do governo federal, assinada pelo presidente Getulio Vargas, a legalização da sua lavra.

Entenderam? Um garimpo de diamantes até certo ponto contemporâneo. Nada de escravos, gente de roupas esquisitas.

Quem sai da estrada e vai até os primeiros Kms do São Francisco, vai estranhar a existências de improváveis montes de pedras. Fica claro que aquele tipo de pedra só poderia ter saído do leito do rio, mas como? Por quê?

Esses amontoados de pedras (são muitos e nada pequenos) são mostra do impacto ambiental que a atividade deixou na região. Você também encontra esquisitos buracos, remanescentes de escavações.

O garimpo na região não cessou por exaurirem-se as jazidas, acabou por decreto federal. Foi criado o Parque da Serra da Canastra e tornou a região intocável. Francamente não dá pra dizer que tudo ocorreu numa boa. A coisa foi meio na marra, com vigilância do exercito, remoção de garimpeiros e muito protesto.

Muita gente da região afirma categoricamente que estão sentados sobre uma imensa mina de diamantes. Como o parque foi criado na década de 1970, as lembranças estão muito presentes.

Seu Misseno acabou virando referência, boa parte das terras do município passou a ser conhecidas como a região do Misseno. Não foi oficializado mais aquele lugar sempre foi o distrito do Misseno.   

Seu Misseno é avô do Adriano, morou nessa fazendo onde hoje também funciona a pousada. Os pais de Adriano também moram lá até hoje. Na verdade nessa estrada Vargem Bonita/Cascata Casca D’Anta, muitas propriedades, a maioria das famílias são todas aparentadas e descendentes do Seu Misseno.

            

 

Canastra Extremo

Uma serra com imensos paredões, muita água, corredeiras, o cenário está pronto, quem gosta de esportes radicais pode escolher sua preferência.

E quando o gosto pela adrenalina ficar forte procure por Canastra Extremo.

Chame Patrick Oliveira, e se divirta ou melhor se articule.

 

Patrick é um condutor ambiental credenciado que conhece tudo na Serra da Canastra. Gosta, quer praticar, Boia Cross, Trekking, Rappel, 4X4, Patrick é um habilidoso orientador em tudo isso www.facebook.com/pg/canastraextremo

Patrick é guia credenciado. No caso não falamos somente em um status burocrático. Falamos de um jovem bem preparado, com conhecimentos sobre ecologia, conhecedor de toda geologia da região e como filho da terra uma pessoa familiarizada com tudo e com todos na região.

Patrick é amante e praticante de esportes radicais além de ser um fotografo de mão cheia… melhor dizer… fotógrafo de olho cheio.

 

Canastra Definição

Canastra é denominação pouco comum para um baú, uma arca, um caixote, etc. Arrisco dizer que Arca é um baú com tampa, abaulada, arqueada. Uma canastra é um baú com tampa reta.

Assim, canastra passou a ser o nome de uma serra que vista de longe sugere exatamente isso: Um imenso caixotão com laterais muito íngremes e a parte superior bastante reta.

Se considerarmos que é na Serra da Canastra se forma o lendário Rio São Francisco e ela também fornece água para o imenso lago de Furnas, podemos dizer essa caixa, essa canastra é uma imensa caixa d’água.

São Francisco – O nome do rio

É sabido que Francisco de Assis foi de imensa importância em seu tempo sendo seus conceitos venerados até hoje.Em cada detalhe de sua vida ficava claro o desapego, a preocupação com os mais carentes e o respeito natureza.A sabedoria popular filosofa muitas razões para aquele excêntrico rio ter esse nome. 

1ª tese – Quando ficou sabendo que seu nome seria Francisco em homenagem a um simplório gigante em sabedoria, generosidade, fraternidade o rio não quis se conformar com o destino de banhar o sudeste, que seria habitado por ricos e decidiu mudar de curso e levar água para os sertanejos pobres e desprotegidos do nordeste.

2ª tese – O tombo foi tão forte que o rio até perdeu o rumo e começou a correr pro lado oposto.

3ª tese – Se todo rio corre pro mar, Francisco só aceitou seu destino depois ir para o litoral depois de dar de comer e beber aos sertanejos.

_________________________________________________

Queijo Canastra

Famoso, gostoso, quase uma unanimidade quando se trata de bom paladar. O Queijo Canastra ganhou em 1999 o status de Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro. Mas não esperem nada de místico ou misterioso na fabricação desse lendário queijo. Leite cru, Coalho, Sal e o Pingo. Nada, além disso, entra na produção do queijo.

A região tem altitude e essa combinação de umidade do ar, pressão atmosférica, densidade pluviométrica, composição química da água, afetam a flora que afeta a fauna e isso acaba caracterizando o gado, o leite e por decorrência o queijo. Em vinicultura esse conjunto de clima, altitude, águas e pastos nativos seria chamado de Terroir, e aqui o termo também pode ser aplicado.

O mesmo também ocorre em montanhas européias (lá ainda existe a incidência de temperaturas muito baixas) e isso resulta em queijos também diferenciados.

Leite cru significa que o produto ordenhado e sem ser pasteurizado vai direto para a casinha do queijo. Que poderia ser chamada (grosseiramente) de área de produção. Despejados em tachos ele ganha temperatura até +- 36°. Daí de mistura uma pequena quantidade de Coalho. Coalho é um produto químico (hoje industrializado) oriundo da maceração do 4º estômago do gado. Por função o coalho coagula o leite. Mistura-se muito e depois essa coalhada, o leite já decomposto entre a massa (futuro queijo) e o soro é despejada num tecido que filtrará ajudada por pressão manual a massa do soro. Essa será colocada numa forma e ficará sobre a bancada para começar a Cura.

Cura é o nome da secagem do queijo. Primeiro por escorrimento depois por evaporação. O queijo está sobre a bancada (ligeiramente inclinada) e dele escorre o soro residual recolhido numa bacia. Daí temos o Pingo, nome dado a esse fluído eliminado do queijo. O produtor guarda parte desse “Pingo” e o mistura, junto com o coalho na massa do queijo do dia seguinte. Além de o Pingo ser um fermento que colabora na composição do queijo, essa operação acaba criando um DNA do produtor, visto que sua produção sempre de alguma maneira seguirá uma característica.

O sal, grosso de preferência, é aplicado no exterior do queijo quando já iniciado o processo de Cura. Aplica-se o sal do lado de cima. Diariamente os queijos são virados para haver equivalência no processo de Cura. Ai se coloca sal do outro lado. Depois se limpa o queijo retirando o excesso de sal.

O queijo recebe também um tratamento estético. Depois de desinformado o queijo é “ralado”, para que seu exterior fique liso sem perfurações ou deformidades.

O queijo canastra, depois de desinformado é armazenado num prateleira com fundo ripado que permite intensa ventilação. As pacas são viradas todos os dias. A produção do dia é colocada na prateleira mais baixa. A cada dia ele vai para a prateleira superior. São sempre vendidos os queijos da prateleira mais alta.

Essa técnica de produção é a mesma a mais de 200 anos. Hoje existem regras e protocolos da vigilância sanitária do Ministério de Agricultura e do INMETRO.

Tenham certeza que curiosidade não mata. E vontade de conhecer e falar com pessoas também não. A Pousada Velho Chico fica numa estradinha que liga Vargem Bonita a Cachoeira Casca D’Anta. Ela segue basicamente o mesmo traçado do Rio São Francisco. Você encontra nesse caminho, várias pousadas, várias queijarias. Paramos pra conversar em algumas delas. Entendam esse comentário no melhor sentido. Cada produtor de Queijo Canastra que visitamos, afirma categoricamente que ele fabrica o legítimo Queijo canastra e que acredita produzir um dos melhores queijos da região. E claro, faz essas afirmações de forma veemente e simpaticamente oferecendo seu produto para degustação.

Gosto dessa “auto estima” exacerbada. Fico feliz por ver gente se orgulhando do seu trabalho.

Qual o melhor Queijo Canastra experimentado? Prefiro dizer que é aquele com no mínimo 4 semanas de cura. Mais rígido, sabor mais acentuado. Qual o fabricante? Todos.

Encontrado uma variedade interessante o Canastra Fungado. É assim, preparo exatamente iqual, só que a cura é feita num ambiente com muita umidade. Ai vai formando na casca um fungo natural do queijo, só que num processo acelerado. E ele é servido assim, cheio de fungo……….Canastra Fungado.

Harmonização – É impossível falar em queijos ou vinhos sem falar em harmonização. O Canastra é um queijo intenso e ganha intensidade com pouco tempo de cura. O vinho indicado deve ser intenso também. Pinot Noir é indicado pelos enólogos. Eu acrescento o Carménère, que alias meninos e meninas, é o meu vinho predileto. Gosto de dizer que Carménère combina com tudo, especialmente com a minha vida.  

Está cada vez mais frequente (e eu acho super válido) buscar harmonização de queijos com cerveja. Siga a mesma regra, escolha uma cerveja encorpada.

E sem que nenhuma patrulha Gourmetizada nos leia, com um ataque de mineirice agudo…….. Gente, mais cu mé bão… uma lasquinha de queijo, um cafezim, otra lasquinha, otro cafezim…………Bão di mais, sô.

Cachoeira Casca D’Anta

Confesso que quando ouvi esse nome ser pronunciado pela primeira vez, acreditei que sendo traduzido do Mineirês, para o Português estaríamos falando a Cachoeira da Anta. Errado.É Casca D’Anta mesmo. Conta a cultura popular da região que num tempo não muito remoto havia na região uma grande quantidade desse mamífero. É explicado também que é até hoje abundante uma espécie vegetal, uma árvore que tem uma casca rugosa onde as antas preferiam encostar e se coçar.

Ai a maneira simplificadora do povo (mineiro principalmente) e a frase ……. a casca da árvore que a anta gosta de se coçar acabou virando…….casca d’anta que acabou dando nome para a primeira e maior cachoeira de todo percurso do Rio São Francisco.  É um puta espetáculo. São 186 metros de queda, emoldurados num paredão de pedra que é praticamente o dobro disso.  

 

Vimos essa cachoeira por dois ângulos. Primeiro vimos por baixo. Chegamos a ela por uma trilha ladeada por uma vegetação incrível.

Mais incríveis mesmo são os olhos super treinados de um casal que encontramos na trilha. Ambos fotografam. Foi ótimo ver um pouco daquilo que eles haviam registrado. O sujeito consegue encontrar na mata uma lagarta medindo não mais do que 5 cm com corpo listado com todas as cores do arco íris.

No dia seguinte fazendo na companhia de Patrick de Oliveira um circuito de 4X4 no auto da serra é possível ver onde exatamente a queda d’água começa.

 

Invadindo a Serra da Canastra.

Como já dissemos canastra é o nome dado a uma grande arca com a tampa reta. Essa elevação que surge imponente ganhou esse nome por ter esse formato de arca, de canastra.

Por suas características especialíssimas você pode circular por seu ponto superior numa estrada muito interessante. Esse é o percurso chamado de Parte Alta, é quando você circula pelo alto da serra.

Nosso carro a Duda faria facilmente esse percurso cruzando a serra de ponta a ponta. Mas não vale a pena. Existem pontos críticos que podem significar frustração ser você for previdente, ou podem significar problemas sérios se você for ousado demais.

Se você não tem um veículo 4X4, o melhor é você ter o apoio de um guia motorizado da região. Recomendamos os serviços da Canastra Extremo. Seu titular Patrick de Oliveira é filho da terra, culto, grande conhecedor da região, é Guia licenciado e colocará a ser dispor além da sua simpatia um veículo 4X4 em perfeitas condições. Fomos levados numa Pagero.

Estar com o Patrick, além da certeza que o passeio será realizado a contento, significa não perder nenhuma atração do percurso e ser informado sobre cada detalhe existente.
Infelizmente a sinalização da região está abaixo da sua potencialidade. Isso somado a incrível paisagem a ser observada reforça o argumento. Quer conhecer a Serra da Canastra… chama o Patrick.

Nós aqui do sudeste estamos acostumados com vegetação da Mata Atlântica, riquíssima e muito densa. Ali você convive com a vegetação do cerrado. Rica, diferente, exuberante mas esparsa. Não é uma mata densa. Você verá uma variedade incrível, de espécimes pouco comuns por aqui.

Essa condição facilita que sejam vistos, tamanduás, veadinhos, carcarás, com muito mais facilidade.

Curral de pedra

Antes de ser implantado o Parque Nacional da Canastra e a região ficar protegida, os sitiantes da região tinham o hábito de levar gado para pastar na serra. Você visitará uma construção muito antiga. Foi edificado um curral, um muro circular com +- 50 m de raio. Esse muro foi feito com pedras. Num tempo muito antigo que ninguém sabe quando, foram juntadas pedras (abundantes no local) e erguido um muro com +- 2m de altura. A construção lembra as muralhas medievais e guarda também semelhança com as “taipas” encontradas na serra catarinense.

 

Nascente do Rio São Francisco

É emocionante saber que aquele gigante que percorre quase 3000 Km, corta 5 estados, tem um caudal médio de quase 3000m³ p/segundo começa modesto, sereno, diminuto. A área da nascente é muito protegida, mas dá perfeitamente para você ver que muito próximas entre si, estão algumas vertentes de água, que se juntam e formam um riachinho.

 

 

Cachoeira Casca D’Anta

Mais impressionante ainda é acompanhar esse curso d’água, vê-lo formar uma espécie de lagoa e ver essa água ser atirada quase 200 m penhasco abaixo formando a famosa e exuberante Cachoeira Casca D’anta. É desproporcional a água que se vê represada, e o volume que se imagina existir quando se vê a exuberância da Casca d’Anta.

 

A Serra da Canastra não é só isso, é tudo isso, é um espetáculo a ser composto por cada olhar atencioso que você dedicar a região.

____________________________________________________________

A Vegetação do Cerrado                                                                                    Quem como eu é filho do sudeste aprendeu a venerar a Mata Atlântica, e assim nossos olhos se felicitam com a natureza densa. O Cerrado é uma novidade surpreendente. Tudo mais esparso, tudo diferente com melhores condições de serem contempladas.

_______________________________________________________________

 

2018-11-28T17:29:16+00:00

Sobre o Autor:

Deixe um Comentário