Estrada Real – Tião Paineira
22 de fevereiro de 2016
Taubaté
22 de fevereiro de 2016

Espírito Santo

 

ESP. Santo 2Espírito Santo.

Praias, História, Fé, Natureza, Folclore.

Conheça uma terra de muitas atrações e que fascina os mineiros.
O estado tem potencial, mas você aproveitar a viagem em profundidade depende de você dar um empurrãozinho.

Oportunismo! Como sempre….

Uma necessária viagem profissional, transformada num ótimo passeio. Insisto em recomendar que todos fiquem ligados para aproveitar as oportunidades. Isso não significa apenas esticar a viagem. Tenha talento para agregar da melhor maneira seus interesses em situações como essa.

Inteligente, Maduro é usar o dinheiro a seu favor.

Esse texto é muito importante porque sempre que aparece uma viagem profissional, todos, ficamos “assanhados” para transformá-la em viagem também de lazer. Queremos aproveitar a oportunidade, levar a amada companheira, aumentar o tempo de permanência….

Para a satisfação desses desejos não cause impacto maior do que  marolinhas em seu orçamento, tome isso muito a sério. Maduro é usar o dinheiro a seu favor.

O empresário que precisava dos meus serviços elaborou um esquema de viagem onde eu passaria em Vitória, na verdade Vila Velha, dois dias. Somei os valores de passagens e hospedagem da proposta dele e redesenhei  essa logística com vantagens para todos. Resumindo, recebi o valor determinado por ele, alterei os horários dos vôos, optei por uma hospedagem mais modesta, obtive uma diferença que ajudou a compor o orçamento para aumentarmos para 5 dias a viagem,  ter a companhia da amada Beth, alugar um carro e eliminarmos o peso de uma viagem exclusivamente profissional.

Traslados

A localização do aeroporto de Cumbica é um ponto que deve ser criteriosamente avaliado sempre que você for usar avião. Não se esqueça de considerar a localização de Congonhas, Cumbica, Viracopos, o valor dos traslados, o valor de um eventual estacionamento. Não é possível decidir somente pelo valor da passagem.

E. Santo 2

Um táxi cobra por esse percurso +- R$ 100,00 (hoje 26/03/2015 U$1 = R$ 3,20). A passagem do ônibus especial (até a Pça. da Republica) está por R$ 42,00 e a passagem do ônibus que opera no trajeto do aeroporto a estação Tatuapé do metrô custa R$ 5,15.

O veículo é muito parecido com os ônibus usados nas pistas dos aeroportos. Local especial para bagagem, confortável, ar condicionado e rápido o percurso demora entre 30/40 minutos diferindo muito pouco do deslocamento feito com automóvel.

Deixar seu carro no aeroporto custa por dia +- R$ 15,00. Dependendo da viagem a opção compensa pelo absurdo do valor* do taxi.

                                 * Tudo aquilo que é monopólio, reserva de mercado, etc. se torna exploração, oportunismo.                                            Só uma cooperativa de Guarulhos pode “operar” no aeroporto.

Anote e experimente quando precisar (simulador):                                                                 http://www.tarifadetaxi.com/sao-paulo

 Não tema prosseguir usando metrô até algum outro ponto fora dos horários de rush, claro. Aliás planejar alguma viagem saindo ou chegando em São Paulo em horários de pico e burrice. É o mesmo que insistir em estragar a viagem de alguma forma.

Carro ou Taxi?

Normalmente prefiro dispor de um meio de transporte sempre a disposição. Gosto de fuçar, de ter liberdade para criar meus caminhos. Tenho a sorte de transformar positivamente qualquer percurso em várias descobertas.

Essa inquietação e essa curiosidade me fazem optar pelo aluguel de um carro. E o valor cobrado pelos táxis confirma que a relação custo benefício é mais favorável. Você ganha em liberdade, autonomia e no mínimo empata na questão custo.

Locação de auto com surpresa positiva.

As principais locadoras tem preços parecidos mas não iguais. Sempre é possível negociar alguma coisa. Fique atento também a convênios e acordos comerciais que geram tarifas diferenciadas. Tenho um hábito, só depois de ter negociado um valor é que eu toco no assunto de algum benefício.

Em Vitória conheci uma locadora que pratica uma modalidade interessante, não cobra seguro e nem nenhuma outra taxa. Fica conveniado que você será responsável pelo pagamento da franquia caso haja algum sinistro. OK?

Outra coisa interessantíssima é que eles dispensam, ou contornam a burocracia. Simples na negociação, gentil e amistoso no trato. Até o bloqueio do cartão de crédito foi flexibilizado.

O valor médio cobrado por um carro básico era R$ 80,00 + Seguro + Taxa se serviço. Na soma +- R$ 115,00.

Fechei por R$ 78,00 a diária de um carro (novo e em perfeito estado) com Ar,  Direção e 120 Km livres.

Anote. TRANSFÊNIX, a locadora que faz a diferença. (slogan deles) procure pelo anjo que atende por Romilda.

Av.. Vitória 2767 (27) 3335 6777 [email protected]

Vitória e Vila Velha

O saudável dois em um!

O Espírito Santo é um destino pouco badalado e muito gratificante. Nada é exuberante, mas tudo é muito bom.

As cidades são gêmeas. Como boa parte de Vitória está numa ilha existem três pontes fazendo essa ligação. A chamada 3ª ponte é a mais moderna e exuberante e liga os pontos mais charmosos de Vitória e Vila Velha.

E. Santo 3   E. Santo 4

Vitória

Essa é uma capital brasileira com população inferior a 400 mil habitantes e que detêm excelentes marcas de IDH (2ª Brasil) e Qualidade de Vida (4ª Brasil). Isso forma uma equação ótima.

Vitória fica numa região muito montanhosa, com isso o visual fica favorecido e o clima complicado. Pelos dois portos de grande movimento existentes, Tubarão e Vitória. E com acumulo de grandes prédios em pequena área a cidade registra muita poluição e as mais altas temperaturas do estado. Não se assuste essas evidencias não são problemas ou agravantes para a cidade não ser visitada. Muito pelo contrário.

E. Santo 5     E. Santo 6

Orla de Vitória.

Foram feitos muitos aterros, isso tornou a orla das praias de Vitória um local amplo, bem cuidado, bonito e agradável. O transito é bom, não temos congestionamentos (pelo menos nada equivalente ao que conhecemos em São Paulo e Rio de Janeiro). Você pode parar em vários bolsões de estacionamento. Escolher algum quiosque interessante.

Visite as ilhotas que estão praticamente ligadas ao continente.

A Ilha do Boi dá nome ao excelente Hotel do SENAC, O restaurante está aberto a todos e como se trata de um restaurante escola é possível desfrutar de uma refeição com todo refinamento possível e mais alguma coisa. Sou uma pessoa muito simples, mas vez ou outra porque não…?

E. Santo 7     E. Santo 8                                                                        A Ilha de Vitória mais parece um condomínio fechado. Vale a pena passar um tempinho das suas praças.                  Veja a foto.

Cidade alta, cidade baixa.

Essa expressão é conhecida na Bahia, Salvador, mas o centro histórico de Vitória está distribuído num local onde essa situação é bem marcada. O porto e digamos uma faixa de +- 300 m de largura estão com altura de poucos metros. Daí temos uma escarpa de +- uns 30 m. e outro grande platô onde temos a cidade alta.

Essa diferença de nível é vencida por várias escadarias. Várias delas cheias de histórias.

A grande curtição de uma viagem é quando através de alguma coisa normalmente comum, você encontra um fato interessante. As escadarias de Vitória serão nada, além disso, se você não notar que muitas delas têm nome, tem história e são consideradas se não monumentos pelo menos marcos.

E. Santo 9

Encontrei a placa Escadaria Maria Ortiz, quis saber de quem se tratava e porque uma escadaria ganharia denominação.

Vitória é uma cidade muito antiga e construir uma escadaria, nos séculos passados, seria a mesma coisa de hoje um prefeito construir um viaduto.

A história que se conta coloca a jovem (21 anos) Maria Ortiz como uma das primeiras heroínas nacionais.

Vitória era muito mal preparada com relação a ataques estrangeiros. Estamos no início do século XVII e especialmente holandeses e franceses passaram a investir contra as costas da América, especialmente no Brasil.     A intenção era estabelecer colônias dos trópicos e se apossar das riquezas naturais Pau Brasil, ou emergente Cana de açúcar.

Sendo fiel a história registrada, conta-se que quando holandeses fundeados na baia resolveram aportar e sitiar a cidade, as pessoas eminentes estavam numa reunião na câmara.

Os holandeses definiram que buscariam atacar o paço municipal, seguindo pela escadaria do Pelourinho (nome original). No terço final dessa escadaria ficava o imóvel onde residia a família espanhola Ortiz e onde mantinham uma revenda de aguardente.

Maria Ortiz ofereceu uma resistência quase doméstica aos invasores. As presas ela aparelhou as crianças e mulheres residentes do local para arremessarem contra os invasores, utensílios domésticos, ferramentas toda sorte de tralhas e água fervente. O fato é que o grupo invasor acabou ficando retido na ladeira. Ela disparou contra o bando de invasores encurralados um canhão instalado nas proximidades.

Contam que houve 38 invasores mortos e praticamente todos acabaram com algum tipo de ferimento.

De fato temos que as forças holandesas aportaram em vários outros pontos do litoral brasileiro. A então cidade de NS da Vitória nunca mais sofreu ameaça de invasão.

Outras escadarias notáveis são, por exemplo, a Escadaria São Diogo edificada junto a um forte construído nos primeiros tempos da cidade.

A Escadaria Barbara Lindemberg fica frente ao Palácio Anchieta, edificação que nasceu convento jesuíta e hoje é a sede do governo do estado.

O charme dessa escadaria são as várias esculturas em mármore de carrara distribuídas em seu percurso.

Centro Histórico

Procure se encaminhar para a Rua Nestor Gomes. Você estará perto do Palácio Anchieta, da Capela de Santa Luzia, da Catedral Metropolitana, de todas as escadarias famosas.

Reserve uma tarde para percorrer a região. Nós gostamos da experiência.

Nossos textos não visam rivalizar com guias de turismo. Nosso objetivo é divulgar aspectos quase despercebidos e principalmente nossas sensações nos lugares visitados, portanto….

Palácio Anchieta

O prédio é lindo, a mobília e a arquitetura são ótimas. Mas não há nada de excepcional. Pessoas são sempre mais importantes que lugares.

E. Santo 10   E. Santo 11

Fiquei muito bem impressionado com preparo das meninas encarregadas das visitas guiadas em qualquer um dos pontos turísticos. Gentis, bem informadas, ágeis de raciocínio, com boa cultura geral.

Não perco a oportunidade de puxar e esticar conversa com qualquer pessoa. Visitando outra cidade e num ponto turístico, tudo fica ainda mais fascinante. A gentil menina Magna (nome verdadeiro, não conhecia) me contou, foi perguntada claro, sobre NS das Vitórias e NS da Alegria.

NS das Vitórias

Segundo ela essa invocação de Maria que deu nome a cidade foi primeiro atribuída a uma importante vitória dos lusitanos contra os mouros no final do período de dominação otomana. O uso da expressão Vitórias no plural é devido a proteção novamente recebida nas violentas batalhas dos portugueses contra os indígenas da região.

E. Santo 12

NS da Alegria

Essa questão de Maria, a mãe de Jesus receber inúmeras denominações variando quanto aos atributos, invocação, devoção ou aparição, é coisa complicada. É muito interessante, é um assunto e tanto mas não é coisa pra agora. (Procure, escrevi um tópico específico, vale a pena).

Temos alguns conhecidos lugares no Brasil com o nome de Penha. O bairro da Penha no Rio de Janeiro. O bairro da Penha em São Paulo.  Em todos, a origem do nome e a santa de devoção tem sempre a mesma origem e estória para contar.

Daria pra dizer que Vila Velha poderia ser Penha. Como o seu afamado convento.

Penha quer dizer penhasco, montanha íngreme desprovida de vegetação.

Poderíamos dizer que NS da Penha é aquela que resolveu ficar no alto do penhasco. E essa opção de local tem exatamente a mesma história. Ouvindo o relato sobre Vila Velha ficamos sabendo do ocorrido também, com algumas alterações nos outros locais.

O frade franciscano Pedro Palácios veio muito no início da colonização aportar na Capitania do Espírito Santo. Ele trouxe uma gravura de NS da Alegria que também era (iconografia idêntica) chamada de NS dos Prazeres.

Essa foi a primeira obra de adoração da região.

A imagem desapareceu e foi encontrada entre algumas rochas no alto do penhasco. Isso se deu repetidas vezes. A comunidade entendeu que a santa estava ditando o local onde deseja estar para melhor proteger a região. No alto do penhasco foi erguida uma capela que se transformou em templo e na seqüência no convento.

Nossa Senhora da Alegria assim se tornou a Nossa Senhora da Penha.

O Convento da Penha.

Vale à pena. Você vai estar num lugar lindo com vista privilegiada tanto para Vila Velha como para Vitória. Junto a uma natureza exuberante e num local com grande fervor religioso. Inclusive com um apreciável museu de Arte Sacra. E muito pro meu gosto existe uma ampla sala de milagres com interessantes ex-votos*.

Não arrisque subir a pé. O caminho é lindo mas a distância pode, pelo cansaço, comprometer o passeio.

Nesse ponto começa o caminho Passos de Anchieta. Rota de peregrinação inspirada no Caminho se Santhiago de Compostela.

E. Santo 13  E. Santo 14  E. Santo 15

Não faça esse passeio com pressa. Já dissemos são três atrações distintas. Curta a atmosfera, Descubra os detalhes do litoral. A arquitura das cidades ainda não estão tão verticalizadas, muito detalhe distantes são vistos. Não será muito difícil ver algum enorme navio de cruzeiro, ou um imenso cargueiro passar por sob a famosa 3ª Ponte.

Detalhe. A iluminação do convento é muito bem feita. De muitos pontos de Vila Velha é possível ver essa edificação que pelo contraste do céu escuro e da vegetação ao redor parece estar pairando no ar.

E. Santo 16   E. Santo 17

Ex-votos

Uma sala de Milagres, como assim é chamado o local onde são acolhidos e expostos os ex-votos dos fiéis, é um museu vivo da cultura, da arte popular.

                                       *Ex-voto é o nome de alguma lembrança, oferenda, depoimento que alguém agradecido por                                            algum apoio ou milagre leva até lá como testemunho. Aprenda a não torcer o nariz e se                                                    atenha a ler as histórias constantes nos quadros lá existentes.

Quem com muita Fé pediu, ou foi agraciado com uma manifestação repentina, uma graça, se empenha, faz questão de deixar seu testemunho, registrar sua gratidão, perpetuar seu momento de esplendor.

Os artistas do povo, sob encomenda escrevem, desenham, esculpem, moldam barro, para deixar registrado o poder do Divino.

E. Santo 18   E. Santo 19

Essa troca com o Divino tem muita história. Os estudiosos têm registros de ações e reações equivalentes mesmo nas religiões pré-cristãs. Nas catacumbas de Roma e em regiões da Grécia são encontrados exemplos dessas oferendas.

No século XIV o modelo de uma gravura representando o fato e um relato abaixo passou a ser dominante.

Mesmo sendo encontrado com alguma freqüência, quem quer curtir o tema deve incluir esse item quando estiver visitando o Santuário de Aparecida (S P), O Santuário de Bom Jesus da Lapa (Salvador BA), A igreja do Bom Jesus de Matosinho (Congonhas MG), Igreja de São Francisco  (Canindé, CE) , que por serem grandes centros de peregrinação recebem milhares de romeiros e pagadores de promessas.

E. Santo 20   E. Santo 22    E. Santo 24   E. Santo 23

E. Santo 21

 Eu Umbilina Soares confesso que fui na profissão de puta durante muitos anos. Atendia na casa de Benta Gorda na entrada da cidade de Serra. Cansada de humilhação e surra pedi que a mãe do salvador que aceitou Maria Madalena me ajudasse a ter vida melhor. Sai de Serra pra Vitória no caminhão de um mineiro religioso que se benzia no sinal da cruz quando invocava o nome de Deus. Tomei pouso na casa de um galego dono de um bar. Cozinhei, lavei, limpei e não sujei mais minha cama.

Ofereço esse ex-voto e prometo a reza de um terço toda noite de terça feira.

 Vila Velha

Há quem queira visitar a fabrica da Chocolates Garoto, uma das maiores e talvez a mais expressiva do Brasil. Eu francamente, principalmente agora que mesmo contrariando o CADE a fábrica acabou sendo adquirida pela multinacional suíça campeã mundial em qualquer modalidade de práticas comerciais ilegais, não tenho a menor vontade de visitá-la. Também não concordo que o passeio seja pago… (Legal né?)  Se for seu caso, se informe sobre agendamento prévio e vá passear em seus  “chocoladutos”.

Orla de Vila Velha

O centro velho da cidade está próximo a Praia da Costa. Conforme você for indo para o sul a cidade vai ficando mais esparsa.

A Praia da Costa é interessante, agradável. Temos uma ponta ótima inclusive para passear a noite.

E. Santo 40   E. Santo 39

O Espírito Santo como um todo poderia se preocupar e, portanto lucrar mais com seu potencial turístico. Não custava nada sinalizar melhor as praias. Uma costa pedregosa precisa de avisos sobre pedras e seus conseqüentes buracos. A segurança (guarda vidas) deveria ser muito maior. Isso é recorrente em todo o litoral.

Outro cuidado a ser tomado é com os preços, principalmente  no canto da praia (Av. Antonio Gil Veloso). Lá os quiosques das praias cobram como se fossem hotéis seis estrelas mantendo uma paridade, ou superioridade com os restaurantes da avenida.

Experimentamos e recomendamos dois estabelecimentos que em ambiente, decoração, serviço e qualidade nada ficam devendo pra ninguém. São agradáveis e interessantes em todos os aspectos.

Spetacollo Restaurante e Botequim |Antonio Athayde 436 – Prainha Vila Velha ES | http://www.spetacollo.com.br/[email protected]

E. Santo 41  E. Santo 42                                                                                           R. Antonio Athayde 436 – Prainha Vila Velha ES

O Spetacollo é uma ótima opção. Cardápio variado, algumas especialidades e preços justos. Jantamos lá, comemos muito bem, fomos muito bem tratados. A casa apresenta no horário do almoço um cardápio promocional e rápido. Tudo com ótima qualidade.

E. Santo 44 Almirante. Mesmo ficando no quarteirão da orla, tem preços honestos. Tem charme sem ser afrescalhado (digo isso por estarmos na praia). Coma seja servido com qualidade.

http://restalmirante.com.br/

 

Rodovia do Sol

Temos uma via litorânea que parte de Vila Velha, rumo ao sul e vai até Presidente Kennedy passando por, Guarapari, AnchietaPiúma, Itapemirim e Marataízes.   Já, por duas vezes fiz esse caminho. Na primeira fui até Anchieta e agora nessa última fomos somente até Guarapari.                                                                   Dependendo do seu tempo percorrer a rodovia até Guarapari é um ótimo passeio. São 50 kms de distância, é pouca coisa. Como sempre pregamos o caminho é sempre tão importante quanto o destino e sem cuidar de apreciar o caminho você não curtiu nada.

Logo no começo você passa pela Barra do Jacú. Conheça a praia. Não pude aproveitar a dica de uns amigos. Existe um restaurante, Espera Maré com três bons apelos. A cozinha é boa. Os proprietários têm um excelente papo e a casa fica voltada para um ninhal de garças. O restaurante fica muito próximo a foz do rio Jacu,isso forma um alagado e atrai os pássaros. No final da tarde pode-se ver as garças se recolhendo. Levando em conta o autor da recomendação fico com a sensação que deixei de conhecer um ótimo local.

E. Santo 27

Comentávamos que não havíamos visto as afamadas panelas de barro (ver trópico específico). De repente uma rude tabuleta na beira da estrada (km 32) ofertava as panelas. Não era uma loja, era uma fabriqueta, as panelas eram modeladas e queimadas lá mesmo. Índio é o nome do proprietário, bom papo, mostrou todo o processo. O barro estocado. Atenção o barro não é preto, tem um tom verde amarronzado, o torno (hoje em dia motorizado), o forno.

Surpresa maior foi perceber que nos kilometros seguintes havia várias outras oficinas produzindo panelas. A variação do preço era um absurdo, o habitual conjunto de três panelas era anunciado por valores entre R$ 10,00 e R$ 20,00 (o conjunto)

Ponta da fruta

Outra parada foi na Ponta da Fruta. Pequena vila. Paramos num supermercado compramos algumas frutas e fomos fazer um pic-nic na praia.

A parte extrema da localidade que ficava junto ao mar está sofrendo um processo de erosão, o mar está avançando.

Explorando um pouco a região facilmente se encontra algum lugar interessante para se curtir os caprichos da natureza.

Conheça a igrejinha de NS dos Navegantes. Fica um avanço da costa sobre o mar, lugar lindo.

Sepetiba

Uma praia linda e deserta. Bem…numa quinta feira, nada de excepcional estar na praia, os moradores da localidade e uns pouquíssimos curiosos (Luna e eu)

Os quiosques da praia estavam fechados. Resolvemos comer alguma coisinha no quiosque do Alemão, que apesar do nome está instalado nos baixos de uma casa. Lugar legal, gostei. Deu pra entender que o Alemão nunca fecha. Vários moradores, tipo aposentados, da região se reúnem lá e basicamente todos se conhecem.

O Alemão, dono do quiosque, saiu passou pela calçada de algumas casas, parou em uma e gritou.

Jamil! Tá pronto. Assim ficamos conhecendo o almoço quase a domicílio.

O Alemão e seu assistente garçom quase surtaram quando entrou um cliente que tinha acabado se sair da água. Os gritos alertavam para que o piso ficava muito escorregadio quando molhado.

O lugar tem uma vista linda, é agradável, a comida é boa, o preço honesto, mas, um bar de praia, praticamente ao ar livre ter um piso escorregadio, francamente.

Novo Praia Hotel

E. Santo 28

A escolha do hotel não foi feliz. O Novo praia hotel aparece com facilidade em qualquer busca na Internet. A localização é interessante. Fica na Prainha, perto a uma praça pitoresca. Não sendo na orla, e o objetivo dessa viagem não era praia, o preço teria que ser muito conveniente.

O problema básico é a direção. A dona é muito atenciosa, se coloca a frente de todos os problemas, mas sua boa vontade não supera os erros do seu noviciato. Tivemos problemas com a Internet (o acesso é ridículo de complicado e o sinal é baixo). Com sobrecarga nos chuveiros e com funcionários absolutamente desinformados sobre qualquer coisa.

Numa viagem anterior me hospedei no Hotel Santorine. Fica na praia, apresenta um ótimo Custo X Benefício e não me deu nenhum problema.

Licor de Pimenta

Nossos olhos funcionam como se tivéssemos uma grande angular e uma teleobjetiva acopladas. Queremos ver cada detalhe do lugar que estamos conhecendo.

E. Santo 31         E. Santo 30

Leio um tosco cartaz “Licor de Pimenta”, repito em voz alta apontando para a porta de um botequim do outro lado da rua.

– Nunca ouvi falar. luna responde.

– É bom, é muito bom. Isprimenta!

A sequência do diálogo foi feita por um cidadão completamente bêbado (mas muito atento e solicito) que estava praticamente deitado no começo da escadaria.

Como eu não desprezo ninguém e nem perco nenhuma oportunidade de alguma boa estória, deu atenção ao ilustre.

– O senhor gosta? Já tomou quantos hoje?

Ninhum, não to bem do figo, to tomando só com carqueja…..

Bem, acho que isso quer dizer que ele está se cuidando.

Luis! Seu Luis, o gringo não conhece Licor de Pimenta. Poê uma dose pra ele prová da iquaria. Poê na minha conta. Faço questâ.

Não falei que o homem era solicito? Não se deve discutir com ninguém nunca, muito menos quando a pessoa está de boa vontade, e menos ainda quando o sujeito está alto.

E. Santo 32

Entramos no bar, trocamos cumprimentos e sorrisos com o Seu Luíz que já se ocupava de nos oferecer um golinho do, para nós inédito licor.    

Nosso ex futuro amigo não participou da conversa. Acho que ele havia acordado somente para nos dar a dica sobre o Licor.

Tomei um gole mínimo. Gaia virou o resto da dose. Não esqueçam que ela foi amamentada com suco de cevada.

Duas sensações. O treco é forte, a primeira impressão é de ser pinga pura. O ardor da pimenta vem na sequência e não incomoda. Gostei.

Luna abordou o Seu Luis.

– Já que aquela era por conta do nosso amigo, coloca outra por conta da casa e uma pra ele que eu pago. O “ele” era eu.

Aquele estabelecimento que sobrevive a mais de trinta anos, hoje se apóia da exposição e venda de bebidas, digamos, diferenciadas. Trouxemos de lá, além do Licor, uma garrafa de vinho de Jabuticaba.

Na narrativa Seu Luis contou que aquele licor era produzido na localidade de São Bento de Urânia, em Alfredo Chaves (não perguntem, não sei onde fica). A história diz que a receita foi trazida por antigos imigrantes italianos.

Criando a aura de mistério que sempre deve existir, ele garante que a produção segue a mesma ritualística a mais de século (?). Que as pimentas, ele disse ser uma mistura de Calabresa, Dedo de Moça, e de Cheiro, são colocadas pra curtir na cachaça, as garrafas são enterradas por 3 messe e somente depois que água, açúcar (ele disse melaço) e algumas ervas são misturadas. Tem um resguardo de 60 dias e depois é feita a clarificação.

Ele garante que são usadas claras de ovos caipiras. Garante também que as famílias produtoras não revelam as ervas usadas.

Esse é o melhor tipo de lembrança pra ser trazido numa viagem. Rende uma ótima conversa e a quem você oferece se sente valorizado.

Moqueca

Os Capixabas entendem a moqueca como seu patrimônio. Sustentam que são eles os que mantêm mais fidelidade ao preparo do prato de origem indígena.

A Moqueca baiana não é legítima por incorporar o dendê e o leite de coco, itens não usados pelos indígenas. Os Capixabas entendem que na Bahia a moqueca sofreu uma africanização.

E o pimentão usado pelos cariocas é considerado uma aberração.As estatísticas dizem que mais de 80% dos restaurantes da faixa litorânea do Espírito Santo servem moqueca.

E. Santo 34   E. Santo 35

E na terra da genuína moqueca eu não posso apreciar. Praticamente todas são preparadas com camarão.

Se uma mulher quiser me levar rapidamente para cama, que me sirva camarão. Será uma cama de hospital, mas será rapidinho que meu organismo irá reagir contra o camarão.

Moqueca, traduzindo do Tupi significa cozer muito lentamente. Os indígenas realizavam esse processo colocando os alimentos envoltos em folhas de bananeiras. Por dedução minha a temperatura não deveria ser tão alta porque as folhas se danificariam. Daí a lentidão.

O caiçara substituiu as folhas de bananeira por vasilhas feitas do barro retirado dos mangues. Assim surge a também famosa panela de barro capixaba. Sem a panela de barro a moqueca não existiria. Esse é um interessante caso de interdependência.

Panela de Barro

Você já ouviu falar em Livro dos Saberes?

A UNESCO instituiu o conceito de Patrimônio Cultural Imaterial. São conhecimentos, práticas, habilidades, expressões de origem definida e existência restrita ou definida.

Nossa constituição no seu artigo 216 também registra o assunto.

A fabricação das panelas se tornou o primeiro fato brasileiro a constar do Patrimônio Imaterial Brasileiro ao ser registrado no Livro dos Saberes. Ocorrido em 2002.

Hoje a comunidade de senhoras do distrito de Goiabeiras confeccionam 3 mil panelas por mês. O barro é retirado dos mangues do Vale do Mulembá, local protegido e preservado.

A moldagem é feita com as mãos. Elementos como pedras e cascas de cascas de coco são utensílios usados na produção. A queima é feita em fogueiras.

E. Santo 36  E. Santo 37

É esse processo genuíno que possibilita a denominação de Patrimônio Cultural Imaterial. Portanto amigos, se o que está registrado é o processo de produção, aquelas panelas produzidas ao longo da Rodovia do Sol, onde

se usa forno, e torno motorizado não são exatamente legitimas.

A localidade de Goiabeiras pode ser visitada. O local fica próximo ao aeroporto que, aliás, se apropria desse nome. É fácil e vale a pena.

Você estará presenciando um sistema de produção praticamente intocado há séculos.

E. Santo 38

E. Santo 45…………..Uma Chiadinha básica                                                           Gol, uma empresa fora da lei                                                                                     A Gol linhas aéreas não obedece ao disposto em nossa legislação sobre permitir atendimento prioritário a Idosos, Gestantes, Deficientes… O ridículo da postura da empresa é que maliciosamente ela oferece o atendimento preferencial em conjunto aos seus clientes privilegiados. Vip e idoso no mesmo guichê. Que coisa “fofa”, eles confundem Prioritários com Privilegiados.   

                 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *